Entenda porque excesso de sódio nos alimentos faz mal

salt sprinkled on table

Diferente da grande maioria dos minerais encontrados na alimentação humana, o sódio é considerado um dos piores vilões que podemos ingerir através de um alimento e é encontrado em larga escala nos produtos industrializados doces ou salgados. Evitar o excesso do seu consumo pode ajudar a prevenir o desenvolvimento de algumas doenças crônicas. Mas porque é que o excesso deste mineral faz tão mal a saúde?

Papel do sódio nos alimentos

Antes de julgar o sódio e apontar quais produtos devem ser evitados para reduzir sua ingestão ao longo do dia é preciso entender onde ele é encontrado em abundância e porquê. O sódio tem duas utilizações importantes na indústria alimentícia: a primeira, e a mais conhecida, como tempero e realçador de sabor, adicionado a receitas e pratos prontos ou em processo de cocção e a segunda como um conservante natural, adicionado a produtos perecíveis ou com validade curta, com o intuito de aumentar seu prazo de validade. Em produtos industrializados portanto, além de encontramos o sódio como um fornecedor de sabor para o alimento a ser consumido, ele é utilizado também como um dos componentes dos conservantes destes produtos, aumentando sua durabilidade.

Ingestão ideal de sódio por dia

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estabeleceu um valor considerado ideal de consumo para todas as vitaminas e minerais essenciais para a manutenção da saúde humana. A ingestão de sódio também foi mensurada por especialistas da organização e foi estabelecida um valor máximo de 2400mg deste mineral por dia para adultos, o que pode equivaler a aproximadamente 6g de sal de cozinha (vale relembrar que o sal é formado por ciclamatos de sódio, que são uma ligação química entre o mineral cloro e o sódio). O consumo de valores acima destes estabelecidos pela OMS são considerados prejudiciais a saúde humana.

Sódio ingerido em excesso pode elevar a pressão arterial

Você já deve ter reparado que a recomendação nutricional sobre a ingestão de sódio em indivíduos que sofrem de hipertensão é para que eles diminuam o consumo destes alimentos. Da mesma maneira, indivíduos que tem episódios de queda de pressão são recomendados a consumir um pequeno volume de sal caseiro para se recuperar do mal estar. Nestas duas situações é possível observar como o sódio tem papel definitivo e importante na regulação da nossa pressão arterial. Este mineral atua em duas situações no sistema circulatório:

  • O sódio funciona como um regulador osmolar da pressão interna dos vasos sanguíneos. Trocando em miúdos, quanto mais sódio tivermos circulando no sangue, mais água ele será capaz de puxar de compartimentos intra e extracelulares para dentro das nossas artérias, aumentando o volume de sangue que circula no sistema. Este aumento de volume exerce, nas paredes destes canais, uma pressão interna já que há mais sangue circulando neste espaço do que ele comporta. Isto exige que o coração e as artérias exerçam um trabalho muito maior para distribuir todo este sangue pelo corpo, aumentando portanto os valores de pressão arterial do nosso sistema circulatório e consequentemente os riscos de isquemia e infarto em vários tecidos e órgaõs do corpo, colocando em risco a nossa saúde.
  • O sódio também funciona como um captador natural de cálcio sanguíneo, ajudando a aumentar o depósito deste mineral na parede dos nossos vasos sanguíneos. Este depósito é responsável por engrossar significativamente a parede das artérias, dificultando ainda mais a passagem de sangue por estes canais, que se tornam mais estreitos e mais pressionados. A elevação da pressão arterial é uma consequência desta ação do sódio combinado com o cálcio.

Os rins podem ser sobrecarregados

O consumo deste mineral em excesso não é somente prejudicial ao nosso sistema circulatório. Os rins, que funcionam como verdadeiros faxineiros do nosso organismo eliminando excessos de nutrientes e toxinas circulatórias no sangue, também sofrem com o excesso de sódio ingerido através da alimentação. Como eles são responsáveis por filtrar o excesso de sódio circulante no nosso organismo, um valor muito elevado deste mineral a ser filtrado pode sobrecarregar suas organelas, prejudicando seu funcionamento e a eliminação efetiva deste composto. Os rins que trabalham sobrecarregados podem começar a ter falência de algumas de suas organelas, tornando-se cada vez menos efetivos e incapazes de filtrar todos os outros minerais e toxinas encontrados em excesso no corpo humano.

Diminuindo os riscos do consumo de sódio

O consumo de sódio pode ser considerado perigoso para a nossa saúde, mas ele não deve ser completamente eliminado da nossa rotina alimentar, já que participa de muitas funções essenciais para a manutenção da vida. O que deve ser controlado é seu consumo em excesso, para que não ocorra as situações que discutimos anteriormente neste texto. Para isto é recomendado valorizar o consumo de alimentos naturais, evitando ao máximo qualquer tipo de produtos industrializados. Na cocção deve-se usar uma quantidade mínima de sal que seja considerada satisfatória para valorizar o sabor dos alimentos, sendo desencorajado a utilização de realçadores de sabor, temperos prontos e a adição de mais sal ao alimento depois de servido no prato.

O consumo de sódio em excesso não é tão difícil de ser evitado quanto parece, já que a valorização do consumo de produtos naturais é mais relacionada a um processo de reeducação alimentar e mudança de hábitos, que reduziriam naturalmente a ingestão deste mineral na nossa alimentação.

O que você faz para evitar o excesso de sódio na sua vida? Compartilhe conosco a sua experiência!